Cirurgia plástica depois da gravidez: benefícios e restrições - Clínica Landecker


É necessário esperar pelo menos seis meses após o fim da amamentação para fazer uma cirurgia plástica, que não deve ser feita para obter o emagrecimento instantâneo


A hora de encarar o espelho depois da gestação pode ser difícil para mulheres que carregaram um ou mais filhos na barriga por nove meses. Muitas pensam em recorrer à cirurgia plástica para reverter a situação da alteração do contorno corporal. O
cirurgião plástico Dr. Alan Landecker, Membro Titular e Especialista em Cirurgia Plástica pela SBCP – Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, membro da International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS), alerta, no entanto, que se deve ir com calma. “Fazer cirurgia plástica no período pós-parto é permitido, mas não é recomendado. Eu indico fazer a cirurgia plástica pelo menos seis meses após o fim da amamentação, porque o organismo fica sob efeito de uma série de hormônios. Mesmo depois do parto ainda existe inchaço, acúmulo de gordura onde não devia ter, ou seja, o corpo ainda fica com a silhueta alterada por um período e o cirurgião não terá uma visão real do corpo dessa mulher para planejar a operação. Por isso, não é indicado realizar a cirurgia plástica nessa fase”, afirma o médico.


De acordo com Dr. Alan Landecker, o principal equívoco das pacientes é querer perder o peso da gravidez instantaneamente após o parto com uma cirurgia plástica. “
É importante lembrar que a técnica é indicada para corrigir depósitos de gorduras localizadas e/ou flacidez de pele em pacientes que estão no peso ideal, ou próximo disso. Mulheres que deram à luz recentemente precisam adotar uma rotina saudável com alimentação equilibrada e exercícios físicos. Muitas pacientes costumam depositar na cirurgia plástica todas as esperanças de conseguir um corpo renovado. Mas, elas precisam ter consciência de que ela será o complemento de um programa de bem-estar, que inclui dieta balanceada, exercícios físicos e também equilíbrio psicológico”, esclarece o médico.


Impactos na amamentação e nos cuidados com o bebê


Para o cirurgião plástico, o principal risco da cirurgia no período pós-parto é o mal resultado. “
Se o corpo não estiver no seu estado normal, você realiza a operação, mas não tem parâmetros corretos. Desses resultados, a insatisfação mais comum é em relação à estética pós-cirúrgica”, declara. “No período certo, ou seja, após os seis meses do término da amamentação, a paciente é vista dentro de parâmetros normais. Mas, é necessária uma avaliação médica criteriosa. Só existem restrições para pegar peso, assim a mulher não poderá lidar sozinha com a rotina do bebê”, enfatiza.


Em sua opinião, é importante deixar claro que a cirurgia plástica não deve ser feita tendo o emagrecimento como objetivo. “
A regra serve para qualquer paciente, pós-gravidez ou não. A pessoa precisa estar no seu peso ideal ou próximo dele. Se estiver com sobrepeso, necessitará de um programa de educação física e acompanhamento nutricional antes do processo cirúrgico. Se a paciente estiver acima do peso, o resultado não será satisfatório e há maiores riscos de complicações, como infecção na ferida cirúrgica e trombose”, alerta o especialista.


Outra questão relevante para as mamães é que a cirurgia plástica pode interferir no aleitamento materno. Durante o período do aleitamento materno, existe uma série de medicamentos que não devem ser ingeridos. E a anestesia e outros medicamentos relacionados à cirurgia podem interferir na composição do leite oferecido à criança. Por isso, recomenda-se que a mulher já tenha terminado de amamentar.


Tipos de cirurgias mais comuns


Em sua prática clínica, o Dr. Alan Landecker observa que as cirurgias plásticas mais procuradas por mulheres que tiveram filhos são nas mamas e no abdômen, pois são as partes do corpo que mais se modificam durante a gestação. Segundo ele, há casos onde a pele não consegue retrair suficientemente, gerando flacidez e assim alteração do contorno corporal.


Para as mamas, há duas possibilidades. Quando elas atrofiam e ficam retraídas, mas sem flacidez de pele, o implante mamário pode ser suficiente. Quando há tem flacidez, corrige-se, tirando o excesso. Em algumas pacientes o implante também pode ser utilizado”, explica.


O médico frisa que a prótese colocada corretamente não atrapalha a amamentação. A mulher pode praticar o aleitamento materno normalmente. Como prevenção é indicado que a paciente realize exames anuais para o controle das mamas, após a inclusão do implante mamário.


No abdômen, normalmente, a procura acontece devido ao acúmulo de gordura na parede, flacidez de pele ou muscular – os músculos ficam separados, chamado tecnicamente de diástase. “
Isso gera uma fraqueza na parede muscular, as vísceras se insinuam pra frente, o que gera uma protuberância, ou seja, perde-se o abdômen reto. A abdominoplastia geralmente é capaz de corrigir estes problemas”, finaliza Dr. Alan Landecker.

COMENTÁRIOS

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Li e aceito a Política de privacidade e autorizo a Clínica Landecker a utilizar meus dados para contato e envio de conteúdos referentes à cirurgias, estética e saúde.

Posts Relacionados

Usamos cookies em nosso site para fornecer a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e melhorando nosso desempenho. Saiba mais.